Compra de ‘kit vereador’ na Câmara de Bacabeira gera suspeita e pode acabar no Ministério Público

Compra de ‘kit vereador’ na Câmara de Bacabeira gera suspeita e pode acabar no Ministério Público

Casa Legislativa, que é comandada pelo vereador Jefferson Calvet, teria realizado licitação com preço superfaturado para fornecimento de carteira de identificação funcional e prima de mesa

Jefferson Calvet, conhecido como “Deus da Honestidade”, é suspeito de realizar compra superfaturada

Feita sem alarde pela Câmara de Bacabeira, a realização de licitação para fornecimento de carteira de identificação funcional e prima de mesa levantou suspeitas ao presidente da Casa, Jefferson Calvet (PSC).

Segundo o blog da Dalvana Mendes apurou, o Legislativo pretende gastar o valor de mais R$ 4 mil reais com o ‘kit vereador’. A compra começou a ser estudada em maio passado.

No mesmo mês, o Legislativo realizou pesquisa de preço junto a três empresas: a AF Brito, a Isaac e a José Mário. A primeira orçou o serviço em R$ 4.455,00. A segunda, R$ 4.675,00 e a terceira, R$ 4.070,00.

O problema, entretanto, é que Jefferson Calvet, acostumado a usar suas redes sociais para condenar a “corrupção”, pode ser acionado pelo Ministério Público (MP) por suposto preço superfaturado. É que o preço unitário da carteira teria sido pago por R$ 200,00, um valor muito acima do que é comercializado no mercado, conforme consulta realizada na internet.

O levantamento de mercado comprova que o chefe do Legislativo bacabeirense, que se acha o “Deus da honestidade” nas redes sociais, estaria tocando a Casa do Povo como um feudo, já que o mesmo é suspeito de utilizar o orçamento do órgão para cumprir eventuais acordos, considerados nada republicanos, com quem se comprometeu.

É a segunda denúncia com indícios de irregularidades com os gastos da Câmara em menos de um mês. No início deste ano, o blog já havia noticiado despesas desnecessárias em plena pandemia. Na época, surpreendido com a notícia veiculada por essa página, um grupo de parlamentares chegou a cobrar informações do Legislativo sobre todas as despesas realizada ao longo de 2022.

O que também chama a atenção é o gasto com uma simples placa de identificação de madeira que a Câmara pagou R$ 170, 00 por unidade, embora seja possível encontrar  o mesmo produto por um valor mínimo de R$ 50 reais.

Além disso, fica mais do que claro o mal exemplo de Jefferson contra a corrupção. A ‘honestidade’ dele em relação aos petistas só não é maior por um detalhe: ele vem escondendo dos vereadores e da população os contratos que já realizou.

Itens da uma pesquisa de preço realizada pela Câmara de Bacabeira estão acima do valor de mercado

Falso moralista

Na Bíblia, no livro de Hebreus 13:18, a Palavra de Deus diz que “estamos certos de que temos uma boa consciência, visto que queremos nos comportar honestamente em todas as coisas”. Em tese, não é dessa forma que o ‘irmão’ Jefferson se comporta.

O parlamentar bacabeirense, que é ‘conhecedor da verdade’, tem a tendência de fazer o que é errado, lembrando a passagem do livro de Gênesis 8:21 que diz “a inclinação do coração do homem é má desde a sua juventude”.

Antes de ir para as redes sociais e criticar a corrupção, Jefferson tem o dever de ser honesto e precisa lutar contra a sua tendência pecaminosa. Infelizmente, o presidente da Câmara de Bacabeira é mais uma daquelas muitas pessoas que passam mais tempo decidindo que roupa usar do que pensando num código de moral.

 

Uma simples consulta na internet mostra que o kit de carteira funcional tem preço variado

 

 

Nota de empenho comprova valor pago com o kit de carteira funcional para vereador

Série especial

Nos próximos dias, por meio da série “Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”, o blog vai revelar todas as contratações já firmadas pelo legislativo bacabeirense nos últimos quatro meses, levando em conta o ano passado. Aguardem!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.