Boi de Axixá inicia temporada junina neste sábado

Boi de Axixá inicia temporada junina neste sábado

Referência no folclore do Maranhão, o Bumba-boi de Axixá realiza, neste sábado (10), às 19h, no Shopping da Ilha, o batizado da brincadeira tradicional no sotaque de orquestra. Para a temporada deste ano, o grupo levará aos arraiais uma homenagem a cidade de Axixá, com o tema: “100 ANOS DE AMOR ÀS CINCO LETRAS”.

O grupo preparou algumas surpresas para as apresentações, com enredo e indumentárias que irão retratar a história e a beleza da cidade que sempre serviu de inspiração para a brincadeira.

“Estamos na expectativa para mais um ano de festa e, nesta temporada, faremos uma bela homenagem à nossa terra querida. Axixá sempre foi nossa inspiração e nós iremos retribuir todo esse amor que sempre recebemos”, disse Leila Naiva, comandante do Boi de Axixá.

História do Boi de Axixá

O Boi de Axixá foi fundado em 01/01/1959, por Francisco Naiva, não por pagamento de promessa, mas por amor à brincadeira, à cultura popular. Era composto pelos personagens soldados, caboclos de flecha, índios e campeadores.

As mulheres eram proibidas de brincar. Depois da saída dos índios e soldados, elas foram inseridas, também como índias, sendo assim até a atualidade.

Por ser um dos percussores do Bumba-meu-boi de Orquestra no Maranhão, o Boi de Axixá segue tradicionalmente o ciclo da manifestação, ensaios, batismo, apresentação e morte, envolvendo comunidades do município de Axixá e de São Luís/MA.

Como é considerado um dos principais representantes da cultura popular, o Bumba-meu-boi de Axixá não se apresenta somente para contratantes com poder aquisitivo alto; apresenta-se sem cobrar em diversos arraiais, igrejas e comunidades carentes, a fim de promover o acesso e contato de pessoas menos favorecidas à cultura popular, visto que seus brincantes, desde sua fundação, também são pessoas simples que amam o Boi de Axixá.

Hoje sob o comando de Leila Naiva, a brincadeira é formada por 120 brincantes, entre índias, vaqueiros campeadores, vaqueiros de fita e orquestra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *